05 junho 2020

Livro: O morro dos ventos uivantes #porqueler

Publicado pela primeira vez em 1847, o livro escrito por Emily Brontë é um clássico que já recebeu diversas adaptações para a televisão e para o cinema. Mas afinal, ainda vale a pena ler “O morro dos ventos uivantes”?

Saiba mais sobre ele e minha opinião sobre a leitura!

Do que fala:

O morro dos ventos uivantes
O morro dos ventos uivantes retrata uma trágica história de amor e obsessão em que os personagens principais são a obstinada e geniosa Catherine Earnshaw e seu irmão adotivo, Heathcliff.

Grosseiro, humilhado e rejeitado, ele guarda apenas rancor no coração, mas tem com Catherine um relacionamento marcado por amor e, ao mesmo tempo, ódio.

Essa ligação perdura mesmo com o casamento de Catherine com Edgar Linton.

Por que ler:

“O Morro dos ventos uivantes” é um clássico, cuja leitura é densa, os diálogos contêm bastante emoção, os personagens centrais são pessoas perversas.

Eu adoro este livro especialmente pela narrativa boa e fluida. A trama é fascinante, ainda mais quando se leva em conta a época em que ele foi escrito.

Para mim é daqueles top livros que todos deveriam tentar ler uma vez na vida.

O único ponto de atenção é que a história é um pouco perturbadora, e lida com temas pesados. Portanto, escolha um momento em que você esteja melhor caso resolva conhecê-lo.


Opiniões de outros leitores:

“Um dos livros preferido da vida, leia tb.” - Lucilene C. Barbosa

“Um clássico literário. Drama, envolvente, muitas vezes muito difícil pelo sofrimento dos personagens, mas gostei muito.” - Rosana

“Leitura excelente. Personagens marcantes em história muito original. Há aspectos sobrenaturais subentendidos, sem tornar o enredo não verossímil. Fantástico retrato de época, também. Recomendo.” - Rogerio Bulhoes

“Justifica a popularidade e o conceito.” - Aires Leonel


Avaliação “O morro dos ventos uivantes”:

Nota: ★★★★★
Média de páginas: 360
Autora: Emily Brontë
Gêneros: Romance, Ficção gótica, Tragédia
Data da primeira publicação: dezembro de 1847

Nenhum comentário:

Postar um comentário